sexta-feira, 5 de março de 2010

Teologia Sistemática - A DOUTRINA DA EXPIAÇÃO

A palavra “expiação” ocorre só uma vez na versão do Rei Tiago em o Novo Testamento. Vide Romanos 5:11. Aqui está uma tradução de “katallage”. Este substantivo grego ocorre em três outras passagens: uma vez em Romanos 11:15, onde está traduzido “reconciliando”; uma vez em 2 Coríntios 5:18, onde está traduzido “reconciliação” e uma vez no verso seguinte, onde outra vez está traduzido “reconciliação”.

O verbo grego “katallasso”, correspondente ao nome “katallage”, acha-se também em 2 Coríntios 5:18,19; em Romanos 5:10 e 1 Coríntios 7:11. Em cada um destes casos está traduzido para significar “reconciliar”.

Segundo o uso do grego, a palavra “expiação” pode ser usada tanto da provisão da base objetiva de salvação, na qual temos uma expiação potencial, como da realização atual da salvação, na qual temos uma expiação atual na aplicação dos benefícios da morte de Cristo e a oferenda do Seu sangue no templo celestial.

O verbo grego “katallasso” está usado no primeiro sentido em 2 Coríntios 5:19, onde lemos: “Deus estava em Cristo reconciliando o mundo consigo mesmo, não lhes imputando os seus pecados”. O sentido aqui é que Deus estava reconciliando o mundo Consigo mesmo por lançar os seus pecados sobre Cristo. Refere-se, pois, a passagem ao que se realizou na morte de Cristo e não ao que se realizou através do Seu ministério Profético, predicante.

É neste sentido que a palavra “expiação” é ordinariamente empregada nas discussões teológicas, sentido em que a usamos neste capítulo.

I. A IMPORTÂNCIA DA EXPIAÇÃO

A expiação é o tema central do cristianismo. Tudo que a precede, olha para frente e tudo que a segue olha para ela atrás. Pode-se ver sua importância revendo os fatos seguintes:

1. ELA É O TRAÇO DISTINTIVO DO CRISTIANISMO

O cristianismo é a única religião com uma expiação. Conta-se que há alguns anos passados, quando se reuniu uma Parlamento de Religião na Exposição de Chicago, Joseph Cook, de Boston, o orador escolhido do cristianismo, levantou-se, depois de terem sido apresentadas outras religiões, e disse: “Eis aqui Lady Macbeth com as suas mãos manchadas com a morte infame do Rei Duncan. Vede-a como perambula pelas salas e corredores de sua casa palacial, detendo-se para gritar. “Fora, mancha danada! Nunca mais estas mãos ficarão limpas?” O representante do cristianismo virou-se para os adeptos de outras religiões e os desafiou triunfantemente: “Pode alguém de vós que estais tão ansiosos de propagar vossos sistemas religiosos proporcionar qualquer eficácia purificadora para o pecado e a culpa do crime de Lady Macbeth? Emudeceram, porque nenhum deles teve uma expiação a oferecer.

2. ELA VINDICA A SANTIDADE E A JUSTIÇA DE DEUS

Não podia haver em Deus verdadeira santidade e justiça se Ele permitisse ao pecado passar impune. A santidade proíbe semelhante encorajamento do pecado. A justiça requer retribuição.

3. ELA ESTABELECE A LEI DE DEUS

Sem expiação a salvação dos crentes deixaria a lei vã, letra morta. Vide Romanos 3:31 e Hebreus 2:2.

4. ELA MANIFESTA A GRANDEZA DO SEU AMOR

De nenhum outro modo podia Deus ter manifestado maior amor pelo Seu povo do que por dar o Seu único Filho unigênito para morrer em lugar dele povo. Vide João 3:16, 15:13; Romanos 5:8; I João 4:9.

5. ELA PROVA A AUTORIDADE DIVINA DOS SACRIFÍCIOS DO VELHO TESTAMENTO

Vemos na expiação de Cristo o antítipo mais belo dos sacrifícios do Velho Testamento. E vemos nesses sacrifícios um método efetivo de apontar à necessidade de expiação e um tal quadro da expiação real como guiaria o iluminamento a espiritualmente inculcar através do véu de sombra à verdadeira luz. A divina autoridade dos sacrifícios do Velho Testamento não apresenta dificuldades ao que crê que a morte de Cristo foi substitucionária; mas, os que desejam negar este último fato também sabem que Deus instituiu os sacrifícios de animais do Velho Testamento.

6. ELA FORNECE A PROVA DEFINITIVA DOS SISTEMAS TEOLÓGICOS

Por sua atitude para com a expiação, os sistemas teológicos classificam-se em pagãos ou cristãos. A oposição deles quanto à expiação também reflete sua idéia da natureza de Deus, de Sua Lei e do pecado.

II. A NATUREZA DA EXPIAÇÃO

1. IDÉIAS FALSAS DA EXPIAÇÃO

(1). A idéia governamental

Esta idéia sustenta que o propósito da expiação foi impedir que o perdão dos pecadores por Deus encorajasse o pecado. A salvação dos pecadores não exige que eles levem a penalidade dos seus pecados. O seu virar do pecado para Deus é suficiente para justificar Deus em salva-los; mas o perdão dos culpados, sem alguma exibição do ódio de Deus contra o pecado e de Sua consideração pela Lei, licenciaria o pecado e roubaria qualquer autoridade sobre as consciências dos homens.

(2). A idéia de exemplo

Esta idéia sustenta em comum com a governamental que a morte de Cristo não foi substitucionária: sustenta que Deus não precisou de ser propiciado em benefício do pecador; que o único óbice à salvação dos pecadores jaz na prática contínua do pecado pelo pecador. Reforma, portanto, é o remédio adequado e isto pode ser efetuado pela própria vontade do homem. Para encorajar-nos nisto Jesus morreu como um nobre mártir, exemplificando uma devoção abnegada que escolheu a morte antes que falhasse do Seu dever a Deus e ao homem. Somos salvos, não por confiar nEle como nosso porta-pecado senão por confiar em Deus segundo Seu exemplo e assim devotando-nos à justiça.

(3). A idéia de Influência Moral.

Esta idéia sustenta em comum com ambas as primeiras que o pecado não traz culpa que deva ser removida: não é a culpa senão a prática do pecado que impede a salvação. A morte de Cristo foi somente uma exibição de amor para abrandar o coração do homem e levá-lo ao arrependimento. “Os sofrimentos foram necessários, não para remover um obstáculo ao perdão de pecadores que existe na mente de Deus senão para convencer os pecadores de que não existe tal obstáculo” (Strong).

(4). A idéia de depravação gradualmente extirpada.

Esta idéia está definida por Strong como segue:

“Cristo tomou a natureza humana como ela estava em Adão, não antes mas depois da queda, - a natureza humana, portanto, com a corrupção nata e predisposta para o mal moral; que, não obstante a possessão desta natureza inquinada e depravada, Cristo, pelo poder do Espírito Santo, ou de Sua divina natureza, não só guardou Sua natureza humana de se manifestar em pecado atual ou pessoal, mas purificou-a gradualmente, por meio de luta e sofrimento até que na Sua morte Ele extirpou completamente sua depravação original e a reuniu com Deus. Esta purificação subjetiva da natureza humana na pessoa de Jesus constitui Sua expiação e os homens não são salvos por qualquer propiciação objetiva senão somente por se tornarem através da fé participantes da nova humanidade de Cristo”.

Há outras duas idéias da expiação que os teólogos comumente discutem sob teorias falsas ou inadequadas da expiação aqui não daremos tratamento especial. Referimo-nos a idéia de acidentes e à comercial. A primeira sustenta que a morte de Cristo foi um acidente imprevisto e não antecipado por Cristo. Esta idéia é tão manifestamente absurda que não merece aqui o espaço que ela tomaria para refutá-la. Não damos aqui atenção especial à idéia comercial da expiação porque ela envolve tanta verdade que achará exame sob a epígrafe da idéia correta da expiação.

2. A IDÉIA CORRETA DA EXPIAÇÃO.

A idéia correta da expiação, que concebemos como sendo a correta, reconhece o elemento de verdade em cada uma das seguintes teorias que tem recebido especial menção e também combina o que são costumeiramente chamadas idéias comercial e ética, mas esta vai mais longe do que qualquer delas.

(1). Verdades reconhecidas noutras idéias.

A. Uma falha em punir o pecado derrubaria o governo divino.

Este é o elemento de verdade na idéia governamental, mas isto é só um dos muitos elementos de verdade envolvidos na expiação. Uma simples exibição do ódio de Deus contra o pecado sem medir uma justa penalidade, portanto, não consegue e não conserva inteiramente os interesses do governo divino. Qualquer exibição do ódio divino para com o pecado agirá como um óbice ao pecado e assim tenderá a manter governo, mas, até ao ponto em que essa exibição do ódio divino se frustre da justa penalidade, ela fracassa em fornecer um óbide ao pecado que honre completamente o governo divino.

B. Na morte de Cristo temos um exemplo inspirador.

É um exemplo de abnegada devoção a Deus e ao homem. E o povo salvo (não os perdidos) são mandados seguir este exemplo. Vide Mateus 16:24; Romanos 8:17; 1 Pedro 2:21, 3:17 e 18; 4:1 e 2. Mas, que Cristo não morreu meramente como um nobre mártir, evidente é de Sua própria atitude para com a Sua morte. Se Ele morreu apenas como exemplo, então Ele supriu exemplo muito pobre. Muitos mártires humanos tem ido para a fogueira sem um sinal de angustia; todavia, o Senhor Jesus Cristo suou como se fossem grandes gotas de sangue no horto. Muitos mártires desfrutaram um vívido senso da presença de Deus na hora da morte, mas o Senhor Jesus Cristo foi desertado pelo Pai na hora da morte. Contrastai a atitude de Cristo perante a morte com a de Paulo.

C. Na morte de Cristo temos uma exibição de amor de Deus.

Vide João 3:16; Romanos 5:8; 15:13; 1 João 4:9. E esta exibição deveria mover os homens ao arrependimento. Este é o elemento de verdade na idéia de influência moral da expiação; mas, que a expiação foi mais do que uma simples exibição de amor far-se-á manifesta ao passo que avançamos.

D. Através da morte de Cristo somos feitos participantes da vida de Cristo.

Vide 2 Coríntios 4:11; 5:14-17; 12:9 e 10; Gálatas 2:20; 2 Pedro 1:4. Este é o elemento de verdade na idéia de depravação gradualmente extirpada da expiação; mas, atingimos esta nova vida em Cristo em conjunção com a fé nEle como nosso porta-pecado. Esta idéia recém mencionada nega:

(2). Outras verdades reconhecidas.

A verdadeira idéia da expiação reconhece todas as verdades das outras idéias, mas reconhece mais. Erram os que acentuam um elemento de verdade com exclusão de outros.

Outras verdades reconhecidas pela verdadeira idéia da expiação, são:

A. A verdade quanto à natureza de Deus.

Tudo das falsas idéias a que temos dado especial atenção nega que haja qualquer obstáculo que seja em a natureza de Deus ao perdão dos pecadores. O entrave supõe-se ser todo ele de parte do pecador. O sofrimento de Cristo não foi em nenhum sentido uma satisfação de qualquer princípio em a natureza divina.

Autor: Thomas Paul Simmons, D.Th.
Digitalização: Daniela Cristina Caetano Pereira dos Santos
Revisão: Calvin Gene Gardner e Daniel Aaron Gardner
Fonte: www.obreiroaprovado.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilhe

Leia também

Related Posts with Thumbnails