quinta-feira, 15 de abril de 2010

Missiologia - Missão: é uma questão de escolha?

Textos básicos:
Is 6.8: “Então ouvi a voz do Senhor, conclamando: “Quem enviarei? Quem irá por nós?” E eu respondi: Eis-me aqui. Envia-me!
Atos 1.8: “Mas receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra”.
Mateus 28.19-20: “Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os ema nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a obedecer a tudo o que eu lhes ordenei”.

Estas três passagens bíblicas são as Palavras mais usadas na igreja quando o assunto em questão é a missão.
Mas o que é MISSÃO?
Tenho a impressão de que em nossos dias em nosso contexto eclesiástico, a palavra MISSÃO virou um jargão, um modismo, uma palavra que foi destituída do sentido mais profundo e verdadeiro.
Se assemelha com o que acontece com a palavra CRENTE: o que é CRENTE?
Quando ouvimos a palavra CRENTE, na maioria das vezes associamos a uma determinada denominação eclesiástica, a pessoas que vivem em certas igrejas e que tem de submeter a um conjunto de regras do tipo, não pode fazer isto ou aquilo, e aquilo outro... Ou que tenham certo tipo expressão, que outros não possuem. Isto tudo está ligado à forma e não ao conteúdo que é e deve sempre ser o principal.
Ser CRENTE não está ligado ao tipo de igreja que você faz parte, ao conjunto de regra que esta igreja te impõe, ou a um modelo de expressão diferenciado do que se chama de tradicional.
Ser CRENTE está ligado estritamente ao conteúdo da fé cristã, o Senhor e Salvador Jesus Cristo. Todo aquele que crê de todo o seu coração e confessa com sua boca sua fé em Jesus, este é verdadeiramente CRENTE.
Assim também se dá com a palavra MISSÃO. Ao ouvirmos esta palavra, a maioria de nós talvez tenha um sentimento de estar sendo novamente exposto a uma velha teoria repetitiva.
Muitas igrejas acham que dominam totalmente este assunto e acham que tem o direito de julgar outras que não agem conforme aquilo que acham ser a MISSÃO de Deus. Muitas igrejas acham que são missionárias simplesmente porque falam sobre o assunto. Outras infelizmente nem isso fazem.
MISSÃO é para muitos é apenas um conceito, uma teoria, uma filosofia, ou simplesmente um assunto da teologia.
Para outros, MISSÃO é algo que a igreja tem de fazer, é simplesmente ação, e se concentram apenas em estar num movimento frenético, achando com isto estarem cumprindo a MISSÃO.
Mas o que é MISSÃO?
O Que é mais importante: SER ou FAZER?
Os dois são extremamente importantes no contexto do Reino de Deus, mas, existe uma ordem a ser seguida:
- Primeiro Deus nos chama a SER seus filhos através de Cristo Jesus pela fé e em
- segundo lugar ele nos envia a REALIZAR a sua obra.
No Reino de Deus primeiro vem o SER e depois o FAZER.
Você É o que você FAZ ou aquilo que você FAZ reflete quem você É?
Neste sentido que temos que entender a MISSÃO: MISSÃO é algo que se faz ou algo que se é?
Nunca podemos interpretar qualquer palavra bíblica fora do seu contexto, neste sentido, também a MISSÃO não deve ser entendida fora de seu contexto.
MISSÃO não é simplesmente aquilo que Jesus nos manda fazer como igrejas, mas, acima disto, MISSÃO deve ser aquilo que a igreja é, a expressão de seu caráter, sua essência.
Por que isto? Porque o que Deus faz mostra quem ele é!
Deus é amor! Esta é a sua essência! Este é o seu ser! E a MISSÃO de Deus é a demonstração daquilo que ele é. A MISSÃO de Deus é a prova prática em nossa vida de quem Deus é: o Deus que ama, que deu seu filho em morte de cruz para nos perdoar e nos salvar porque nos ama.
Deus não pode escolher se quer ou não fazer MISSÃO, isto faz parte do seu caráter, da sua essência, do seu ser.
Deus não faz MISSÃO, ele é a MISSÃO, ele é MISSIONÁRIO, ele vai ao encontro do perdido, ele busca, resgata, salva, perdoa, ama o pecador perdido.
A partir do momento em que entendermos que MISSÃO faz parte do ser de Deus, daquilo que Deus é, deveremos compreender também a MISSÃO no contexto da igreja.
A Igreja é de Deus. É corpo de Cristo. Somos filhos do Pai. E somos chamados a ser suas testemunhas. Isto tudo pertence a Deus. Por isso a Igreja nunca poderá agir por conta própria, mas deve ser aquilo que Deus é, agir como ele age, não por escolha própria, mas por ser coerente com aquilo que é: a expressão do amor de Deus, portanto, ser MISSIONÁRIA. Ir ao encontro do perdido.
Portanto, retomando os textos bíblicos iniciais:

Is 6.8: “Então ouvi a voz do Senhor, conclamando: “Quem enviarei? “Quem irá por nós”? E eu respondi: Eis-me aqui. Envia-me!

É este texto uma simples sugestão, como se Deus dissesse: “Pois é, será tem alguém aí que, por favor, poderia, por gentileza, ser meu servo? Alguma Igreja que gostaria de resolver através de uma reunião bem demorada e debatida de presbitério se quer ou não ser ir anunciar a minha palavra”?
Será que o Deus Missionário está esperando sentado pacientemente em seu trono para que tenhamos a boa vontade de nos dispor e resolver se queremos como sua Igreja, trabalhar em sua seara?

Mateus 28.19-20: “Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os ema nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a obedecer a tudo o que eu lhes ordenei”.


Esta Palavra bíblica pronunciada por Jesus é baseada simplesmente numa ordem, que nos obriga a fazer algo que como Igrejas não costumamos e as vezes não gostamos de fazer?

Atos 1.8: “Mas receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra”.

E esta passagem da Escrituras, nos dá o direito de ficarmos sentados esperando eternamente para que literalmente chova fogo do céu, que aconteça algo visivelmente sobrenatural para que aí sim decidamos se queremos ou não tomar parte na MISSÃO. E se isto não acontece então temos a desculpa de dizer que ainda estamos aguardando a capacitação de Deus e que ela ainda não chegou?
Em nenhuma destas três passagens da Escritura, nos é dado como escolha se queremos ou não participar da MISSÃO de Deus.
Em momento algum nestas passagens Deus está te implorando e esperando que se você tiver um tempinho e boa vontade, então, que você venha a serví-lo.
Estas Palavras não foram ditas para o mundo perdido resolver se quer servir a Deus, mas foram ditas para o povo de Deus, que o conhece, que faz parte da sua família, que vive na sua casa, foram ditas para o profeta, para os apóstolos, para os discípulos e seguidores de Cristo.
Portanto, estas Palavras Bíblicas não são opção de múltipla escolha, pois a Igreja que é de Deus deve expressar o seu caráter, o seu ser a sua essência, em sua ação. É missionária por natureza, não tem escolha Ou é missionária como expressão de que verdadeiramente pertence a Deus, ou não é missionária e pode estar se enganando a si mesma.
Talvez nos dias em que vivemos e a experiência de Igreja que temos, ou as influências que temos recebido daquilo que nos rodeia a respeito deste assunto, nos leve a interpretar a Palavra de Deus e a sua MISSÃO como uma opção. Talvez para querer ser uma Igreja mais do que do outras, ou para querer aparecer no contexto eclesiástico missionário e ter status de uma Igreja missionária e receber louros da alguma entidade cristã por causa disto.
MISSÃO para a Igreja não é uma questão de escolha, esta na sua essência, isto quer dizer: a Igreja que verdadeiramente serve ao Senhor expressará seu caráter missionário através de suas ações de forma natural, sem ser obrigada a isto, faz parte de sua natureza.
E como diz o ditado: “Filho de peixe, peixinho é”. O peixinho não pode escolher se quer ou não nadar, se quer ou não viver na água, ele vive na água e pronto, ele nada e pronto. Se não quiser viver na água, fora dela é que não o fará com toda certeza.
Assim também é a Igreja, ela é formada pelos Filhos de Deus, Deus é missionário e, portanto, a Igreja é missionária, pois nasceu dele. Não poderá assumir nenhum outro tipo de vida e conduta, será como querer viver fora da água, certamente perecerá.
A Igreja pode dar uma resposta para Deus se quer ou não ser missionária, se quer ou não aceitar o chamado, nos baseando na pergunta de Deus a Isaías em seu cap. 6 vers. 8?
Até pode, mas o fará para seu bem ou seu mal, para sua vida ou para sua morte.
Deus não nos obriga a serví-lo, mas nos chama a serví-lo por amor e gratidão por tudo que nos fez por intermédio de Jesus, para que tantos outros também possam receber aquilo que ele já nos deu: o perdão de pecados e a salvação eterna em Cristo!
Ser uma Igreja missionária é a resposta que Isaías deu a Deus: “Eis-me aqui! Envia-me a mim”! É reconhecer com gratidão a quem você pertence, e o que você deve fazer por causa deste pertencimento.
Devemos viver a MISSÃO de Deus, esta é sua natureza, Esta é a natureza para qual a Igreja foi criada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilhe

Leia também

Related Posts with Thumbnails