terça-feira, 10 de agosto de 2010

Cristologia - CRISTO, NOSSA PAZ

João 16:33, “Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz”
Aos ímpios “não há paz” (Isa 57:21) pois o pecado não pode fornecer paz. Aquele que vive na “inimizade contra Deus” (Rom 8:6) não tem como ter paz. O Deus santo mostra a sua ira contra os que não crêem no Filho (João 3:36). Onde permaneça a ira de Deus, não pode existir paz. Por isso o caminho dos transgressores é dado como áspero (Prov. 13:15; 11:35; Sal 37:38).

O pecado não pode dar paz. É só observar as vidas que caíram na armadilha das promessas de paz e alegria de Satanás para saber que não há paz desobedecendo o caminho divino. Será que Adão e Eva tinham paz depois de crer nas palavras do tentador (Gên. 3:7-10)? Se sim, porquê estavam escondendo-se da presença do SENHOR Deus e coseram folhas de figueira para fazer para si aventais? Os que não deram ouvidos à palavra de Deus por Noé estavam pulando de alegria quando durou o dilúvio quarenta dias sobre a terra, e cresceram as águas e levantaram a arca sem eles estarem dentro (Gên. 7:17,23)? Os que escolheram o caminho das suas próprias concupiscências em vez do arrependimento nas cidades de Sodoma e Gomorra estavam satisfeitos quando o SENHOR fez chover enxofre e fogo desde os céus sobre as suas cidades (Gên. 19:24)? Que felicidade restou para aqueles que eram destruídos? Quando Jonas fugiu da face do Senhor, quanta serenidade ele tinha quando o navio em que estava abordo estava a ponto de quebrar-se? Ou quanto tranqüilidade tinha Jonas nas entranhas do peixe que o Senhor preparou para que o tragasse (Jonas 1:5,17; 2:1-9)? É certo que os que não submetem-se às palavras de Deus em espírito e em verdade não podem conhecer o caminho da paz mas tem em seus caminhos a destruição e a miséria (Rom 3:16,17).

A razão que não há paz no pecado é porque o pecado é contra o Deus que é soberano e que requer santidade. Os que querem o pecado estão contra este Deus justo e poderoso (Rom 1:32; 8:7). Na verdade, os que engolem o que Satanás, pela carne pecaminosa do homem, oferece não estão vivendo na realidade. Deus tem declarado que “a alma que pecar, essa morrerá” (Eze 18:4). Ou essa é a verdade ou Deus é mentiroso.

Em Cristo, há paz verdadeiro. Sim, Cristo fez por se mesmo a paz pelo sangue da sua cruz. É por Ele que podemos ser reconciliados com Deus mesmo (Col. 1:20). Uma vez estávamos inimigos de Deus, mas por Cristo, somos feitos um com Deus. Por isso Cristo é a nossa paz (Efés 2:11-18). Foi Deus que nos deu o Seu unigênito Filho, e Deus não é Deus de confusão, senão de paz (I Cor 14:33). Por Deus ser o autor da salvação dos pecadores os escritores inspirados das epistolas muitas vezes saudaram ou despediram dos irmãos em Cristo com a frase, “Graça e paz de Deus nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo” (Rom 1:7; 15:33). Eles lembrem bem que Deus é de paz e querem que os irmão também lembrem deste fato e que conhecem melhor essa paz de Deus.

O homem na sua carne é fraca. Fácil é duvidar das promessas do bondoso Deus. Deus “conhece a nossa estrutura; lembra-se de que somos pó” (Sal 103:14) e por isso repetidas vezes Deus conforta o homem com as palavras “não temas” (Lu 12:32), “aquietai-vos” (Sal 46:10), e “paz seja convosco” (João 20:19,21). Lembra-se também que parte da armadura de Deus é paz (Efés 6:15).
“Regozijai-vos sempre no Senhor; outra vez digo, regozijai-vos.” Filipenses 4:4

Você conhece esta paz? Já está em Cristo? Está obedecendo os mandamentos de Deus? Obedecer pode ser difícil mas nunca será sem a paz de Deus nas dificuldades.

A. Nas Aflições

De fato, aflições vem para o povo de Deus, mesmo para o povo obediente de Deus. Este mundo não é o ‘lar final’ para os Cristãos. Jesus nos informou que “no mundo tereis aflições” (João 16:33) e nem Ele escapou delas. Pense dos patriarcas, os juizes, os profetas, os discípulos e os apóstolos. Qual deles viveram num ‘mar de rosas’ nessa terra? Qual deles tinham o seu ‘descanso’ neste presente mundo? Não é a verdade que “Por amor de ti somos entregues à morte todo o dia; Somos reputados como ovelhas para o matadouro” (Rom 8:36)?

Quando “o pavor repentino” ou “a investida dos perversos” vier não precisamos nos entregar ao pânico e ao desespero de sabedoria humana (Prov. 3:25) pois “o SENHOR será a esperança”, Ele que “guardará os pés de serem capturados” (Prov. 3:26). A nossa força está “no sossego e na confiança” no que o Senhor pode fazer e prometeu a fazer (Isa 30:15). A paz e vitória nas aflições não vem “por força nem por violência, mas sim pelo meu Espírito, diz o SENHOR dos Exércitos” (Zac 4:6). Pode ser que há alguns que confiam nos carros da esperteza humana ou nos cavalos da força de possessões materiais, mas o homem que quer conhecer a paz verdadeira fará “menção do nome do SENHOR nosso Deus” (Sal 20:7).

Cristo nos deu o exemplo como ter paz nas tentações. Quando o tentador aproximou-se a Jesus e lançou os dardos inflamados do maligno (Efés 6:16) um após o outro, a PALAVRA DE DEUS foi o Seu conforto e a Sua vitória (Mat. 4:1-11). Se Jesus precisou passar pelas tentações, pode ficar ciente que os que seguem Ele passarão por elas também. Se Jesus empregou a PALAVRA DE DEUS para ter a calma e a operação do Espírito no meio das tentações, podemos ficar sabendo que a paz no meio das nossas tentações será pelo emprego da mesma. Leva a PALAVRA DE DEUS contigo no seu coração, fazendo lembrança dela pelas horas do dia. Vede se ela não proporciona paz no seu caminho.

Paulo nos mostrou como ter a paz nas perseguições. Paulo foi em muito mais trabalhos que os outros ministros de Cristo. Paulo sabia receber açoites, prisões e passar pelo perigo de morte, sim, muitas vezes. Paulo passou pelos trabalhos e fadiga, em fome e sede, frio e nudez. Se não fosse as coisas exteriores suficientes, também foi oprimido cada dia pelo cuidado de todas as igrejas que tinha uma responsabilidade. Não era poucas as vezes que Paulo enfraquecia ou perturbado por ser escandalizado (II Cor 11:23-29). Onde que Paulo achava força para continuar apesar das perseguições constantes? Na GRAÇA DE DEUS (II Cor 12:9,10). Por conhecer a GRAÇA DE DEUS e sabendo que todas as coisas cooperam para o bem (Rom 8:28) Paulo até sentiu “prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias.” A GRAÇA DE DEUS levou Paulo optar pela força que Deus dá nas perseguições em vez de ficar satisfeito com o prazer momentânea que a vingança ou sabedoria humana podia dar. Se Paulo passou pelas perseguições e conheceu a GRAÇA DE DEUS suficiente, nós hoje podemos conhece-la também pois Deus “tem cuidado” de nós (I Ped. 5:7) tanto quanto de Paulo. Procure a GRAÇA DE DEUS nas perseguições.

O Jó nos mostrou como ter a paz nas provações pela sua vida. A perda de possessões, família, conforto de relacionamentos, status, saúde e o bom conselho de amigos não tirou a paz interior de Jó. A FÉ EM DEUS levou Jó ficar fiel mesmo no meio de provação contínua. Foi a FÉ EM DEUS que estimulou ele declarar, “ainda que ele me mate, nele esperarei” (Jó 13:15). Se pretende passar pelas provações que verdadeiramente terá neste mundo (João 16:33) e passar por elas com a mesma paz com qual Jó tinha, precisará lembrar a FÉ EM DEUS que confia no fato que “Justo é o SENHOR em todos os seus caminhos, e santo em todas as suas obras.” (Sal 145:17).

Que Deus ti abençoe experimentar a paz que vem por colocar a PALAVRA DE DEUS em ação durante as tentações e conhecer a GRAÇA DE DEUS que leva te a ter FÉ EM DEUS nas provações esperando que Ele use a sua vida na Sua maneira para a Sua glória.
B. Na Morte

Sal 23:4, “Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum.”

Há paz até na morte para os que estão em Cristo, pois até na morte, Cristo é a nossa paz. Sim, foi por isso que Ele veio, para desfazer a inimizade, “isto é a lei dos mandamentos” que houve na lei e nos julgou culpados (Efés 2:12-18). “Mas os ímpios não têm paz, diz o SENHOR.” (Isa 48:21).

Exemplos de paz na morte:

1. Deut 32:48-52; 34:1-6 - Moisés - não tinha apreensão de ir ao lugar onde iria morrer.

2. Juízes 16:30 - Sansão - orou para morrer, sem medo, enquanto estava obedecendo o Senhor.

3. II Samuel 12:21-23 - Davi - na morte do filho só trouxe conforto, pois a esperança era de vê-lo um dia novamente no céu.

4. II Reis 2:1-12 - Eliseu - Vendo Elias ir para o céu ficou maravilhado, não aterrorizado.

5. Jó 13:15 - Jó - “Ainda que ele me mate, nele esperarei” é a confiança de quem confia no Senhor.

6. Marcos 15:34 - Cristo - Cristo passou pela fel da morte pois levou a condenação dos pecadores que se arrependiam. Mas depois da morte Ele passou a dizer “Não temas” pois Ele é a vitória, ele levou a aguilhão da morte que é o pecado. Cristo levou a condenação da lei que é a força do pecado. Em tudo isso Ele foi vitorioso. Por isso não há mais condenação. Sem condenação, há paz (I Cor 15:55-57).

7. Lucas 16:23,25 - Lázaro - “e agora este é consolado e tu atormentado.”

8. Fil. 1:21 - Paulo - “Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho.” Porquê poderia dizer isto? Veja a expectativa de Paulo, II Tim 4:6-8.

9. Heb 11:16 - os patriarcas - desejaram uma cidade celestial.

10. Heb 11:21 - Jacó - na beira da morte o que Jacó estava fazendo? Abençoando os filhos e adorando Deus.

11. Heb 11:22 - José - próximo da morte, continuou obediente e vivendo pela fé.

12. Heb 11:35 - mulheres dos fies - os mártires aceitaram a morte em vez de livramento. Isso mostra paz na face da morte, até de uma morte cruel pela tortura.

13. Apoc 21:1-8,27 - O Novo Céu e a Nova Terra - “não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor” e “não entrará nela coisa alguma que contamine, e cometa abominação e mentira”. Não terá nada que pode causar dor ou tristeza, só tem a perfeita paz. Talvez por isso os santos no passado não tinham e os santos de hoje não tenham medo de encarar a morte.

Essa paz na morte não é experimentada por todos. Os fora de Cristo têm “uma certa expectação horrível de juízo, e ardor de fogo, que há de devorar os adversários.” (Heb 10:27) e um espírito de escravidão para estarem em temor (Rom 8:15). Não estando em Cristo há ainda a ira de Deus permanecendo sobre o pecador por causa dos seus pecados (João 3:35,36). Os fora de Cristo podem vir a Cristo pois Ele fez a paz pelo sangue da sua cruz e é só por meio dEle que o pecador pode ser reconciliado para com Deus (Efés 1:20) e estes estão realmente exortados a virem a Cristo para terem a salvação (Mat. 11:28-30) e convidados a virem a Cristo se desejarem (Isa 55:1,6,7).

A paz real que vem de Deus só vem mesmo de Deus e essa paz é só para os que estão:

“em Cristo” Só por estar em Cristo a morte não tem o aguilhão nem a lei tem mais força para nos condenar (I Cor 15:55-57; Rom 8:1,2); o Cristão tem a vida eterna (João 3:16-18,36); tem a esperança de uma morada preparada no céu (João 14;1-7).

obediente em Cristo. Os que estão obediente em Cristo podem ir pela morte sem preocupar do juízo final dos ímpios. Mas há o tribunal de Cristo (Rom 14:10) onde as obras dos Cristãos vão ser julgadas (I Cor 3:12-15). Se a obra permanecer, “esse receberá galardão” (como as mulheres em Hebreus 11:35) mas se a obra não for em obediência “sofrerá detrimento”, mas todavia, a alma é salva pois é habitação do Espírito Santo (I Cor 3:16,17).

Você já está em Cristo? Você está sendo obediente em Cristo? Como você encara a morte?
C. No Julgamento Final - Apoc 20:1-4

No julgamento final, diante do grande trono branco, “os mortos (espiritualmente - Efés 2:1), grandes e pequenos” estarão diante de Deus para serem “julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras.” (Apoc 20:11-15). É diante de Deus que os mortos do mar (simbólico de morte física, o corpo) e do inferno (simbólico da morte espiritual, a alma) aparecem para serem julgados segundo as obras. É durante este julgamento que as obras de cada um vão mostrar claramente a condição dos corações dos pecadores. O fim único deste julgamento é a segunda morte, o lago de fogo, onde serão atormentados para todo o sempre (Apoc 20:10). Não há nenhuma chance de qualquer pessoa envolvida neste julgamento escapar do lago do fogo (v. 14,15).

Os “em Cristo” tem um tratamento diferente pois os pecados destes já foram julgados em Cristo e Cristo já pagou pela sua vida tudo que a justiça santa de Deus exigiu. Examine estes versículos que referem ao efeito da morte de Cristo para com os que crêem nEle:

• João 3:16,18, “para que todo aquele que nEle crê, não pereça mas tenha a vida eterna. Quem crê nEle não é condenado”

• João 5:24, “não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida.” (Ver também v. 27).

• Romanos 8:1, “Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus”

• Romanos 8:3, “o seu Filho, ... pelo pecado condenou o pecado na carne”

• Heb 9:12, Cristo efetuou “uma eterna redenção”

• Heb 9:24, “Cristo entrou ... no mesmo céu, para agora comparecer por nós perante a face de Deus;”

• Apoc 1:5, “Àquele que nos amou, e em seu sangue nos lavou dos nossos pecados”
O tribunal de Cristo (Rom 14:10) é onde as obras e não os pecados dos Cristãos vão ser julgadas, (Rom 14:10-12; II Cor 5:10). Se a obra, um por um, permanecer, “esse receberá galardão” (como as mulheres em Hebreus 11:35) mas se a obra não for em obediência “sofrerá detrimento” (I Cor 3:11-15), mas todavia, a alma é salva pois é habitação do Espírito Santo (I Cor 3:16,17). Terá lagrimas neste julgamento por nós não termos feitos na terra o melhor possível. Mas Deus limpará toda a lagrima (Apoc 21:4).

Se Cristo voltasse hoje, você iria ao tribunal de Cristo ou ao grande trono branco?

Estando em Cristo há paz nas aflições, na morte e qualquer julgamento justo.



Autor: Pastor Calvin Gardner
Fonte: www.obreiroaprovado.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilhe

Leia também

Related Posts with Thumbnails